segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Resenha — Extraordinário

Luana Natyele
Assim que comecei a ler o livro confesso que não gostei mesmo, porque não gosto muito de livros que fala de doença ou algo do tipo sabe? Eu fico meio que sentida com a história. Até fiz uma publicação no grupo da Liga sobre isso, falando que estava pensando em desistir de ler ele mas as meninas super legais e atenciosas logo disseram para que eu não desisti si que ele era muito bom! Por isso continuei e super amei. A cada capitulo não parava mais de ler, cada pagina queria saber mais da história do August. 



Extraordinário

August Pullman, o Auggie, nasceu com uma síndrome genética cuja sequela é uma severa deformidade facial, que lhe impôs diversas cirurgias e complicações médicas. Por isso ele nunca frequentou uma escola de verdade... até agora. Todo mundo sabe que é difícil ser um aluno novo, mais ainda quando se tem um rosto tão diferente. Prestes a começar o quinto ano em um colégio particular de Nova York, Auggie tem uma missão nada fácil pela frente: convencer os colegas de que, apesar da aparência incomum, ele é um menino igual a todos os outros. Narrado da perspectiva de Auggie e também de seus familiares e amigos, com momentos comoventes e outros descontraídos, Extraordinário consegue captar o impacto que um menino pode causar na vida e no comportamento de todos, família, amigos e comunidade - um impacto forte, comovente e, sem dúvida nenhuma, extraordinariamente positivo, que vai tocar todo tipo de leitor.



Gostei da forma como a autora abordou as diversas formas do preconceito, mostrando como eles são irracionais e surgem por conta da ignorância do ser humano. A verdade é que a diferença é essencial. Já imaginaram se todo mundo fosse igual? Cada pessoa tem alguma característica que a define e a torna interessante. Auggie sabia que era diferente, mas ao ter familiares e amigos ao seu lado, viu como ele teve sorte de nascer Extraordinário.
O livro é narrado, na maior parte dos capítulos, pelo próprio August. Porém, há capítulos em que o narrador é um amigo dele ou alguém de sua família. Gostei bastante dessa esquematização, pois dá pra saber o ponto de vista de várias pessoas em relação ao que Auggie está enfrentando. Ainda falando sobre os capítulos, eles são curtinhos e sempre que um acaba, dá aquela vontade de ler sem parar! A narrativa é super fluída e a história, por mais que dê a impressão de ser triste, é bem humorada e linda!

“Quando tiver que escolher entre estar certo e ser gentil, escolha ser gentil.” p. 55

A capa é muito bonita, a diagramação está ótima, com letras grandes e capítulos muito pequenos, alguns com apenas uma página, o que facilita bastante a leitura e não a torna cansativa. É um livro que pode ser lido em apenas um dia com facilidade. São poucos personagens e, pela narrativa leve e próxima, não demora muito para nos sentirmos da família.

Eu dou meu coração inteiro, porque vale muito a pena ler!

6 comentários:

  1. Eu amo esse livro! O Augustus é um fofo!
    http://toobege.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Esse é um dos livros mais lindos que já li, me apaixonei por cada pedacinho da história. Realmente ele é extraordinário ♥ Gostei da sua resenha :) Beijos

    www.quetransborde.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade no começo eu não gostei, mas mesmo assim não desisti e gostei muito!

      Excluir

E aí, Dresch? - 2015. Todos os direitos reservados.
Criado por: EveryDay.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo